Notícias

Vidro e Imagem: arte na Biblioteca

Fotografia e vidro: arte na Biblioteca Mário de Andrade com apoio da AGC Vidros do Brasil e Speed Temper

Alex Flemming, artista brasileiro nascido em São Paulo é escultor, pintor, fotógrafo, gravador... um multiartista e suas técnicas se entrelaçam em seus trabalhos. 

A fotografia, como meio em si ou como propiciadora de acesso a outras mídias, é usada por Flemming desde o início de sua carreira.  No dia 03/12/2016 o artista paulistano radicado em Berlim volta a assinar uma grande obra em espaço público em São Paulo, dessa vez na Biblioteca Mário de Andrade, região central. A obra é composto por 16 grandes placas de vidro fornecidas pela empresa AGC Vidros do Brasil e transformadas pela Speed Temper, pesando no total 1,5 toneladas e ocupando área de 150m2, instaladas ao longo do corredor de vidro da Biblioteca. Estampadas em três das quatro faces das placas, as obras podem ser vistas por quem está dentro e fora da biblioteca e de cada lado apresentando cores e sensações diferentes. O tema da instalação são retratos de pessoas que frequentam e que trabalham na biblioteca, além do tradicional autorretrato do artista.

Essa obra pública tem patrocínio da AGC e é uma iniciativa da Abividro, que tem se notabilizado por dar protagonismo ao vidro através das artes.

O projeto foi inspirado na famosa instalação assinada por Flemming na estação Sumaré do Metrô de São Paulo, em que as placas de vidro foram serigrafadas com retratos humanos. Mas  diferentemente do projeto anterior, desta vez o artista incorpora uma aura de tridimensionalidade às imagens, utilizando-se de uma técnica especialmente desenvolvida pelo artista para esse projeto, a impressão digital em vidro.

Nessa obra, Flemming conseguiu trabalhar a ideia de diversidade e pluralidade com maestria. “Sempre fui fascinado pela beleza do ser humano, e como acredito que todos nós somos iguais, considero a miscigenação uma das grandes virtudes do Brasil. A pluralidade étnica é o amanhã. A cidade de São Paulo se apresenta como queremos o futuro para o mundo: cosmopolita, multicultural, inesgotável. Viva a miscigenação!”, diz ele.

Para o artista, há uma diferença importante entre esta e a série de retratos instalados na estação Sumaré do Metrô. “Não poderia repetir as obras que realizei 18 anos atrás. O trabalho do artista deve ser dinâmico, refletir o momento em que é realizado. Nessa série para a Biblioteca Mario de Andrade eu me utilizei de inúmeras inovações de ordem técnica e introduzi a cor dentro o conceito da imagem-retrato. A Biblioteca é um organismo vivo, pulsante, multifacetado. Ela vibra por causa das pessoas que circulam aqui diariamente, e eu concretizei plasticamente nos meus retratos a ideia de um conceito de um mundo livre, sem amarras e sem preconceitos.”

 Veja estes trabalhos:

Fonte: Abividro -  Wikipedia e brasileiros.com.br

Telefones: (11) 2476- 7021 | (11) 2476- 7479

sinbevidros@sinbevidros.com.br

Av. Paulista, 1313 - 9º andar - sala 906 A. Bela Vista - São Paulo/SP CEP: 01311-923