top of page
  • Foto do escritorsinbevidros

MACRO VISÃO SEMANAL - EDIÇÃO 68 - 20/03/2023 A 24/03/2023



Você está recebendo o Macro Visão Semanal. Veja os destaques:

  • Dados da economia brasileira e internacional na semana de 20/03 a 24/03

  • Síntese da semana

  • Agenda econômica para a semana: de 27/03 a 31/03


Dados da Economia Brasileira na semana: 20/03 a 24/03

  • Expectativas do mercado (Relatório Focus/Banco Central): a mediana das expectativas do mercado, divulgada pelo relatório Focus do Banco Central referente a 17 de março, indica que o IPCA de 2023 deve encerrar em 5,95%. Para o PIB, a expectativa de crescimento oscilou para 0,88%. No que se refere à taxa de câmbio, a expectativa do mercado continua em R$/US$ 5,25 ao final do ano. Por fim, a mediana das perspectivas quanto à taxa SELIC se manteve em 12,75% a.a.

  • Índice Geral de Preços - Mercado (Ibre/FGV): o IGP-M registrou alta de 0,11% na segunda prévia de março, após leve queda de 0,06% em fevereiro e aumento de 0,21% no mês de janeiro. Quando analisados os componentes do IGP-M, o IPA-M (Índice de Preços ao Produtor Amplo - Mercado) ficou praticamente estável na segunda prévia de março. O IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor - Mercado), por sua vez, apresentou alta de 0,50% no período. Por fim, o INCC-M (Índice Nacional da Construção Civil - Mercado) subiu 0,12% na segunda prévia de março.

  • Sondagem da Indústria da Construção (CNI): a Sondagem da Indústria da Construção, mesmo com o avanço observado no mês de fevereiro, sinaliza retração do nível de atividade da indústria de construção. O índice ficou em 46,0 pontos em fevereiro, o que representa aumento de 1,5 ponto em relação ao mês anterior, quando encerrou em 44,5 pontos. Resultados acima dos 50,0 pontos indicam aumento do nível de atividade do setor e abaixo, retração.

  • Balança comercial (Secex): a média diária das exportações do país aumentou 13,6% entre os períodos de março de 2022 e de até a terceira semana de março de 2023. No mesmo intervalo, as importações diminuíram 0,4% na comparação da média diária. O saldo médio diário da balança comercial, por sua vez, foi de US$ 346,1 milhões em março de 2022, passando para US$ 532,1 milhões em média diária até a terceira semana de março de 2023. O saldo total acumulado até a terceira semana de março de 2023 é de US$ 6,92 bilhões. No ano, a balança comercial registra superávit de US$ 12,03 bilhões (jan-mar/23).

  • Taxa Selic (COPOM/Banco Central): o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) anunciou na última quarta-feira, 22/03, a manutenção da taxa básica de juros (Selic) em 13,75% a.a. pela quinta reunião consecutiva.

  • Atividade do Comércio (Serasa): o Indicador de Atividade do Comércio apresentou queda de 0,63% em fevereiro na comparação com o mês anterior, considerando os dados com ajuste sazonal. Em comparação com o mesmo período de 2022, a atividade do comércio apresentou alta de 4,67%. Já na variação acumulada em 12 meses houve aumento de 2,61% no setor.

  • Demanda das Empresas por crédito (Serasa): a demanda por crédito em fevereiro de 2023 caiu 10,17% na comparação com o mesmo mês do ano anterior. O resultado ficou abaixo do que foi registrado na comparação entre o mês de fevereiro de 2022 e o mesmo mês do ano de 2021 (+17,81%).

  • Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IBGE): o IPCA-15 registrou alta de 0,69% no mês de março de 2023, sexta variação positiva consecutiva. Este resultado veio acima da expectativa do mercado, que era de aumento de 0,66%. O principal destaque no mês de março foi a variação positiva dos preços administrados, que apresentaram aumento de 1,90%, enquanto os preços livres registraram alta de 0,29%. No acumulado em 12 meses encerrados em março de 2023, a variação do IPCA-15 foi de 5,36%, o que indica desaceleração do indicador em relação ao mês de fevereiro (+5,63%).

  • Sensor (FIESP/CIESP): o Sensor de março encerrou em 50,5 pontos, resultado inferior ao mês anterior - de 50,9 pontos. Leituras acima de 50,0 pontos indicam elevação da atividade industrial paulista no mês. O indicador de mercado (setor de atuação) encerrou em 50,6 pontos no mês de março, resultado inferior aos 55,1 pontos registrados em fevereiro. O componente de vendas também apresentou aumento frente ao mês anterior, ao variar de 53,6 pontos em fevereiro para os 55,8 pontos de março. Os estoques encerraram março em 43,3 pontos. Já o indicador de emprego fechou em 48,3 pontos na leitura mais recente. Por fim, o indicador de investimentos inverteu o cenário de redução para crescimento, fechando o mês de março aos 53,4 pontos, contra 46,8 pontos verificados em fevereiro. Todos os dados acima contemplam o tratamento sazonal.

Dados da Economia Internacional na semana: 20/03 a 24/03

  • Produção Industrial nos Estados Unidos (Federal Reserve): a produção industrial nos Estados Unidos ficou estável em fevereiro na comparação com o mês anterior, considerando os dados com ajuste sazonal. Na comparação com fevereiro de 2022, a produção industrial nos Estados Unidos diminuiu 0,1%. No acumulado em 12 meses, o crescimento é de 2,9%.

  • Taxa de juros dos Estados Unidos (FOMC/ Federal Reserve): em decisão divulgada na última quarta-feira (22/03), o Comitê de Política Monetária do Federal Reserve (Banco Central dos EUA) elevou a taxa de juros de referência em 0,25 p.p. para a faixa entre 4,75% e 5,00% ao ano. O aumento veio em linha com a expectativa do mercado e coloca a taxa de juros no nível mais alto desde 2007.

Síntese da semana:

As decisões sobre a taxa de juros nos Estados Unidos e no Brasil são o grande destaque desta semana. Nos Estados Unidos, o Comitê de Política Monetária do Federal Reserve (autoridade monetária do país) elevou a taxa de juros em 0,25 p.p. para a faixa entre 4,75% e 5,00% ao ano. O aumento ocorre após turbulência no setor bancário e coloca a taxa de juros do país no nível mais alto desde 2007. No comunicado, o comitê afirmou que a medida busca diminuir a inflação, mas que está preparado para calibrar a política monetária conforme o balanço de riscos e as metas estabelecidas. No Brasil, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) anunciou na última quarta-feira, a manutenção da taxa básica de juros (Selic) em 13,75% a.a. pela quinta reunião consecutiva. No comunicado sobre a decisão, o Comitê destacou que existem fatores de risco em duas direções. Por um lado, as pressões inflacionárias globais e a indefinição em torno do arcabouço fiscal pressionam os preços para cima. Por outro lado, a desaceleração da economia global e a queda na concessão de crédito doméstico são fatores que podem diminuir a força do aumento de preços. A expectativa do mercado é que a taxa de juros se mantenha em um patamar muito elevado nos próximos meses, encerrando 2023 em 12,75%. Para o IPCA, a expectativa é de que encerre o ano em 5,95% no ano.

Agenda Econômica para a próxima semana: 27/03 a 31/03

27/03/2023 (Segunda-feira):

  • Banco Central divulga o Relatório Focus.

  • FGV divulga a Sondagem do Consumidor.

  • Secint divulga a Balança Comercial Semanal.

28/03/2023 (Terça-feira):

  • FGV divulga a Sondagem da Construção.

29/03/2023 (Quarta-feira):

  • FGV divulga a Sondagem da Indústria.

  • Ministério do Trabalho divulga o CAGED.

30/03/2023 (Quinta-feira):

  • FGV divulga o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), a Sondagem do Comércio e a Sondagem de Serviços.

  • IBGE divulga a Produção Industrial Mensal (PIM).

31/03/2023 (Sexta-feira):

  • IBGE divulga a PNAD Contínua (Taxa de Desemprego).


Fonte: FIESP e CIESP

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page