• sinbevidros

MACRO VISÃO SEMANAL - EDIÇÃO 34 - 04/07/2022 A 08/07/2022



Veja os destaques:

  • Dados da economia brasileira e internacional na semana de 04/07 a 08/07

  • Síntese da semana

  • Agenda econômica para a próxima semana: de 11/07 a 15/07


Dados da Economia Brasileira na semana: 04/07 a 08/07

  • Balança Comercial (SECEX): a média diária das exportações do país passou de US$ 1,35 bilhão em junho de 2021 para US$ 1,55 bilhão no mesmo período em 2022, aumento de 15,6% entre os meses. No mesmo período, as importações aumentaram 33,7% na comparação da média diária, saindo de US$ 848,70 milhões em junho de 2021 para US$ 1,1 bilhão no mesmo período em 2022. No acumulado do mês de junho, as exportações somaram US$ 32,7 bilhões, e as importações, US$ 23,9 bilhões. O saldo total acumulado no mês de junho foi de US$ 8,8 bilhões, queda de 15,4% em relação ao ano anterior (US$ 10,4 bilhões).

  • PMI Indústria do Brasil (HSBC): o Índice Geral de Compras (PMI) da Indústria do Brasil, sazonalmente ajustado, apresentou leve redução de 0,1 ponto no mês de junho ao fechar em 54,1 pontos, ante 54,2 pontos em maio. Com este resultado, o PMI industrial do Brasil está positivo pelo quarto mês consecutivo, indicando expansão da indústria. Resultados acima de 50,0 pontos indicam crescimento da indústria no mês.

  • Produção industrial mensal (PIM/IBGE): a produção do setor subiu 0,3% em maio na comparação com abril, nos dados com ajuste sazonal. O resultado veio abaixo da expectativa do mercado (+0,6%). A indústria de transformação cresceu 0,8% no mês de maio, sendo a responsável por puxar o crescimento da indústria geral. Já a indústria extrativa surpreendeu negativamente, recuando 5,6% em maio. No acumulado em 12 meses, a produção industrial exibe queda de 1,9%.

  • Vendas de veículos (FENABRAVE): no mês de junho, 310.659 veículos automotores nacionais e importados (exceto máquinas agrícolas e implementos rodoviários) foram vendidos no país. Com ajuste sazonal, este resultado representa uma redução de 7,0% em relação ao mês de maio.

  • Indicadores Industriais (CNI): o Faturamento Real da indústria brasileira aumentou 1,8% no mês na comparação com o mês anterior, nos dados com ajuste sazonal. O indicador de Emprego ficou próximo da estabilidade, enquanto Horas Trabalhadas, Massa Salarial e rendimento real apresentaram variações positivas no mês, de 1,6%, 1,3%, 1,3%, respectivamente. Por fim, a Utilização da Capacidade Instalada foi reduzida em 0,1 p.p., fechando maio em 80,9%.

  • PMI Composto do Brasil (HSBC): o PMI Composto para o Brasil encerrou o mês de junho em 59,4 pontos, o que representa um aumento de 1,4 ponto na comparação com o mês de maio (58,0 pontos). O PMI Serviços sinalizou expansão da atividade do setor no mês de junho ao atingir 60,8 pontos, o que denota aumento de 2,2 pontos em relação ao mês de maio (58,6 pontos). Resultados acima de 50 pontos representam expansão das atividades.

  • Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI/FGV): o IGP-DI registrou alta de 0,62% em junho, um pouco abaixo da variação do mês de maio (+0,69%). Este resultado veio levemente acima da expectativa do mercado, que era de aumento de 0,60%. No acumulado nos últimos 12 meses, o IGP-DI tem crescimento de 11,12%.

  • Expectativas do mercado (Focus/BC): a mediana das expectativas do mercado referente a 01 de julho indica que o IPCA de 2022 deve encerrar em 7,96%. Para o PIB, o relatório aponta melhora nas expectativas do mercado, sendo esperado um crescimento da atividade do país no ano em 1,51%. Já a expectativa para a taxa de câmbio apresentou leve depreciação, sendo esperado que encerre o ano em R$/US$ 5,09. Por fim, a mediana das perspectivas quanto à taxa SELIC aumentou para 13,75% a.a.

  • Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IBGE): O IPCA registrou variação de 0,67% em junho, resultado 0,20 p.p. maior que o apurado em maio (+0,47%). O índice veio abaixo da estimativa do mercado para o mês (0,72%). No acumulado em 12 meses, houve alta de 11,89% do índice de inflação.

Dados da Economia Internacional na semana: 04/07 a 08/07

  • PMI Indústria dos Estados Unidos (Markit): o PMI da Indústria dos Estados Unidos, com ajuste sazonal, recuou 4,3 pontos no mês de junho ao fechar em 52,7 pontos, o valor mais baixo em quase dois anos. No entanto, o PMI dos Estados Unidos permanece positivo pelo 24° mês consecutivo. Resultados acima de 50,0 pontos indicam crescimento da indústria no mês.

  • PMI Composto e PMI Serviços da Zona do Euro (Markit): o PMI Composto para a Zona do Euro encerrou o mês de junho em 52,0 pontos, o que representa uma redução de 2,8 pontos na comparação com o mês de maio (54,8 pontos). Apesar da queda, o indicador continua sinalizando expansão da atividade econômica no mês, dado que indicadores acima de 50,0 pontos representam crescimento da atividade. O PMI Serviços sinalizou expansão da atividade do setor na Zona do Euro em junho, ao atingir 53,0 pontos.

  • PMI Compostos dos Estados Unidos: o PMI Composto para os Estados Unidos encerrou o mês de junho em 52,3 pontos, o que representa uma redução de 1,3 ponto na comparação com o mês de maio (53,6 pontos). O PMI Serviços indicou expansão da atividade do setor em junho ao atingir 52,7 pontos, apesar da redução de 0,7 ponto em relação ao mês de maio (53,4 pontos). Indicadores acima de 50,0 pontos indicam expansão da atividade.

  • Produção industrial da Alemanha (Bundesbank): a produção industrial alemã cresceu 0,1% em maio, após crescimento de 2,0% no mês anterior, considerando dados dessazonalizados.

Síntese da semana:

Os indicadores de atividade divulgados ao longo dessa semana sinalizaram desempenho positivo da indústria brasileira. De acordo com a Pesquisa industrial mensal (PIM), a produção do setor cresceu 0,3% em maio, resultado influenciado pelo crescimento da indústria de transformação (+0,8%), dado que a indústria extrativa apresentou retração (-5,6%). Além disso, o Índice Geral de Compras (PMI) da Indústria brasileira continua indicando expansão do setor, ao encerrar aos 54,1 pontos em junho. Da mesma forma, a pesquisa Indicadores Industriais trouxe resultados satisfatórios, ao indicar aumento do faturamento real, das horas trabalhadas, da massa salarial e do rendimento real. O indicador de emprego ficou perto da estabilidade, enquanto a Utilização da Capacidade Instalada foi reduzida em 0,1 p.p. Na semana, o Brasil também registrou crescimento do PMI Serviços, o que sinaliza a continuidade da expansão do setor. Neste contexto, as expectativas do mercado para o PIB de 2022 melhoraram, sendo esperado crescimento de 1,51% no ano. No entanto, há importantes entraves para a sustentabilidade desta trajetória positiva, sobretudo da indústria. Nesse sentido, apesar do crescimento na passagem mensal, a PIM registra queda de 1,9% da produção industrial no acumulado em 12 meses. Além disso, os resultados dos últimos meses ainda não foram suficientes para recuperar integralmente a redução do mês de janeiro de 2022 (quando houve queda de 1,9%) e o nível de produção do período pré-pandemia (situando-se 1,1% abaixo do verificado em fevereiro de 2020). Nos próximos meses, com a elevação da taxa de juros básica da economia e a diluição do impacto da reabertura econômica, a atividade econômica tende a perder fôlego. Dessa forma, a projeção da Fiesp para a produção industrial em 2022 é de uma queda de 1,2%, que, se confirmada, será a sexta redução da indústria em um período de dez anos. Por fim, no que se refere à inflação, o IPCA registrou aumento de 0,67% em junho, abaixo da expectativa do mercado (+0,72%). Apesar disso, os índices de preços seguem pressionados no acumulado em 12 meses. Segundo o Relatório Focus, é esperado que o IPCA encerre 2022 em 11,89%. Portanto, a inflação ao consumidor segue em patamar elevado e, apesar do desempenho satisfatório dos indicadores de atividade no curto prazo, os próximos meses ainda reservam importantes desafios para a economia brasileira.

Agenda Econômica para a próxima semana: 11/07 a 15/07

11/07/2022 (Segunda-feira):

  • FGV divulga a primeira prévia do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M).

  • Banco Central divulga o Relatório Focus.

  • Secint divulga a Balança Comercial Semanal.

12/07/2022 (Terça-feira):

  • IBGE divulga a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS).

  • CNI divulga o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI).

13/07/2022 (Quarta-feira):

  • IBGE divulga a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC).

  • Banco Central divulga o Fluxo Cambial Semanal.

  • Eurostat divulga a Produção Industrial da Zona do Euro.

15/07/2022 (Sexta-feira):

  • CNI divulga a Sondagem Industrial.


Fonte: FIESP

2 visualizações0 comentário